“Não sou capaz” Seu paciente acredita nesta frase?

Você atende pacientes que têm aquela sensação de não se sentir capaz, de não dar conta das coisas? Ou que não se sente inteligente?

 

Hoje eu vou falar sobre essa questão. A sensação de incapacidade tem relação com algo que está por baixo da baixa autoestima, que é representada quando o seu paciente sente que não vai conseguir realizar, que não será capaz de atingir seus objetivos, ou não vai conseguir passar no vestibular, etc.

 

Essa crença de que não vai ser capaz faz com que ele acabe se desmotivando, ficando preocupado, ansioso ou sofrendo por antecipação ao imaginar que ele não vai conseguir mesmo. Isso geralmente acontece por situações onde ele foi desvalorizado ou muito criticado no passado.

 

São aquelas crianças que foram xingadas: “você é um burro, não é capaz, tu não vai ser capaz de chegar aos seus objetivos, não vai ser ninguém, tu é um zero à esquerda”. Realmente aquela criança que passou por uma situação de dificuldade numa prova e tirou uma nota baixa e foi recriminada pelos professores ou mesmo pelos pais. Essa sensação de crítica externa, que alguém joga sobre esse paciente, muitas vezes, acaba gerando internamente uma sensação de, realmente, não ser capaz.


Esse contexto de não se sentir capaz de algo, faz com que muitas crianças acabem desistindo do colégio, não querendo ir mais estudar, porque elas acham que não vão ser capazes de atingir os objetivos ou principalmente de atingir aquela meta que os pais desejam delas, e com isso duvidar se continuarão sendo amadas e acolhidas ou fazendo parte da sua família ou mesmo fazendo parte daquele grupo de amigos delas, porque elas não são boas o suficiente.

 

Se você atende ou atendeu pacientes que passaram por situações na vida de intensas desvalorizações, críticas e eles acabaram sentindo que não são capazes de atingir os objetivos, você pode trabalhar em cima dessa sensação de inferioridade, de incapacidade. Busque entender de onde vêm esses princípios para que assim eles possam mudar essa crença de não ser capaz, e trocar por uma sensação de que eles fizeram e fazem o melhor que eles podem e que ninguém é capaz de tudo o tempo todo. Eles não dão conta de tudo, mas entender que eles fazem o seu melhor dentro do possível, fará com que eles estejam mais satisfeitos com a pessoa que realmente são e se amar plenamente, tendo mais motivação para atingir seus objetivos.

 

Muitas vezes ao olharmos para trás, percebemos que a sensação daquela criança, não precisava ser aquela, mas foi, por ela não ter outros recursos para perceber aquela situação, mas agora como jovens ou adultos, é possível mudar a interpretação, pois agora é possível racionalizar que os pais agiram da forma que agiram, pois as vezes existiam outras circunstâncias ocorrendo em meio a mesma época, que a fase da desvalorização estava relacionado a outros acontecimentos que geraram aquela criança desfoque nos estudos, e assim, mudando a compreensão e entendendo o global da situação, aquela criança que sofreu pode ser enfim acolhida e o adulto do agora poderá lidar diferente com as situações.

 

E aí, terapeuta... foi claro para você? Conseguiu entender realmente esse bloqueio que acaba atrapalhando o aprendizado e essa sensação de não ser capaz?


Ajude seu paciente a olhar para dentro de si ou trabalhar em cima dessas crenças e modificar essa percepção. Deixo uma dica: peça para ele escrever todos os dias “eu sou capaz” e ler essa informação. Isso vai modificar a forma como ele olha para dentro de si, dando mais uma vez um senso de capacidade de potência no hoje, mas claro, não deixe de olhar para o que desencadeou o início desta interpretação.


Se você entendeu essa relação e gostou desse artigo, compartilhe com seus colegas terapeutas e me mandem comentários para que possamos ir trocando informações, esclarecendo dúvidas e nos fortalecendo cada vez mais como uma comunidade, em busca de resultados mais rápidos e eficazes em nossos atendimentos. #comunidadeorigens

 

Se você quer aprender mais, quer ir mais a fundo então você não pode perder esse ano a Leis Biológicas Experiência que acontecerá em novembro! Fique ligado que logo trago mais informações.

 

Quer saber mais sobre a Origem Emocional dos Sintomas? Confira os vídeos com outros conteúdos no YouTube.com/ivanbonaldo

 

Dr. Ivan Bonaldo (Crefito 8/99696-F)

Fisioterapeuta e idealizador do Curso Origens

Quinta-feira, 30 de Julho de 2020
Voltar
Rua Silvio Vidal - 175, Sala 601 | Centro Médico Dr. Silvio Vidal - Pato Branco - PR
ivanbonaldo@yahoo.com.br | ativaterapias@gmail.com
(46) 3025-5399 | (46) 9981-2112
Site Desenvolvido por Agencia PQPK